Posts recentes

O Facebook está chegando ao seu fim?



Charles Sanders Peirce foi um pensador notável. Foi físico, matemático, químico, filósofo e acima de tudo um lógico de primeira grandeza. Sabia mais de 11 idiomas, deixou uma obra de mais de 90 mil manuscritos dos mais variados temas. No entanto, seu caráter excêntrico e pouco sistemático o impediu de receber em vida as honras que merecia por sua genialidade. Com Peirce, aprendi muito cedo que as pesquisas científicas abrem, por vezes, novas frentes que não poderíamos nem imaginar no começo de um estudo.

Esse mês pude vivenciar novamente isso. Estava fazendo um levantamento bibliográfico sistemático sobre grandes plataformas de Big Data para um material que estou elaborando. Nesse processo sistemático de leitura e fichamento, um padrão emergiu entre os textos e me chamou atenção: o fim do Facebook! Diversos artigos mencionando os problemas que a gigante das mídias sociais vem enfrentando e como alguns dizem ser o começo do fim de um império. Será mesmo?

Para a Física-Matemática, o Facebook é o que chamamos de um sistema complexo. Tais sistemas apresentam características fundamentais e podem ser físicos, biológicos ou sociais. Um sistema complexo apresenta um enorme número de elementos em interação dinâmica. São sistemas de comportamento estocástico no tempo. Apresentam comportamento irreversível (nunca voltam ao mesmo estado anterior). O comportamento do sistema como um todo é mais do que uma simples soma de partes. Como todo sistema complexo, o Facebook inevitavelmente em algum momento entrará em colapso. Mas quais elementos são observados para muitos especialistas estarem apontando essa direção? Vamos lá.

O Facebook enfrenta nos últimos anos diversos problemas com a justiça de alguns países com acusações de manipulação de dados eleitorais, manipulação de comportamento em massa e também de comportamento predatório no mercado com a aniquilação da concorrência por seu poder econômico, o que marcou negativamente a imagem da empresa frente à opinião pública. Somado a esse quadro, muitos usuários têm notado que a exposição da vida em redes sociais é um malefício em diversos sentidos. Acrescido a isso, estudos mostram que o número de novos usuários na rede tem caído e também que alguns usuários têm passado menos tempo na rede.

Não há como negar que são dados a se considerar. É bem provável que estejamos diante de um quadro que mostra que o Facebook pode estar chegando ao fim e que algo venha preencher essa lacuna, como ocorreu com o antigo Orkut. Todavia, o império construído por Mark Elliot Zuckerberg tornou-se enorme e pode ser que alguma vertente do próprio grupo assuma o lugar.

Não nos esqueçamos que o WhatsApp e o Instagram foram adquiridos pelo grupo do Facebook. Também não nos esqueçamos que o grupo de Zuckerberg possui uma das mais poderosas estruturas de dados e inteligência artificial do planeta, o que não é pouco. Podem competir com empresas como Amazon e Google no setor.

O perfil do usuário nos próximos anos será fundamental no processo. Eu mesmo confesso que não tenho mais tanta interação em redes sociais como há anos atrás. Parece que a magia do cenário virtual desse tipo de mídia vai deixando de existir em nós. Observemos como será o destino dessa gigante! Até mais! Feliz Natal!

Fernando Montini é cientista de dados, programador, pedagogo, químico industrial e mestre em Biologia.

Escreve para o blog sobre tecnologia na área de Ciência de Dados, Business Intelligence e Mercado Financeiro.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
VEJA TAMBÉM